Serviços

SUSTENTAÇÕES ORAIS

Diferentemente da advocacia popular, a equipe liderada pelo Dr. Wagner Arcanjo presta…

ROUBO, FURTO E TRÁFICO

Nossa equipe atua em toda matéria de direito criminal. Porém nos dias…

PROGRESSÃO DE REGIME

É sabido que após cumprimento de 1/6 (um sexto) para os crimes…

LIVRAMENTO CONDICIONAL

O livramento condicional é a fase mais benéfica na fase de execução…

HABEAS CORPUS

Todo cidadão que tem sua liberdade privada ou ameaçada por alguma ilegalidade…

TRIBUNAL DO JÚRI

Nossa equipe é especializada em crimes dolosos contra a vida, qual é…

Sobre mim

Wagner Arcanjo da Cruz, bacharel em direito, formado pela conceituada universidade Braz Cubas localizada na Cidade de Mogi das Cruzes-SP.
Especializado em Tribunal do Júri pela Escola Superior de Advocacia ESA-OAB/SP.
Pós Graduando em Direito Penal e Direito Processual Penal, com docência e ensino superior pelo Complexo Educacional Andreucci/SP.
Professor de Cursos Preparatórios para concursos públicos nas matérias de Direito Penal e Direito Processual Penal.
Advogado criminalista militante OAB/SP 371.043. Palestrante.

Alguns números

33
Roubo, Furto, Tráfico
29
Livramento condicional
32
Progressão de regime
27
Habeas corpus

Últimas matérias

BREVES ANOTAÇÕES ACERCA DA LEI 13.654/2018 – FURTO E ROUBO

As poucas alterações introduzidas pela Lei 13.654/2018 inseriram os parágrafos 4º-A e 7º ao art. 155 do Código Penal. Constituem duas outras qualificadoras, transformando o tipo penal do furto em “campeão” de número de qualificadoras, como se pode ver nos […]

SUPERLOTAÇÃO DE PRESÍDIOS: RESPONSABILIDADE DE QUEM?

Insiste-se, no Brasil, na ideia de que há superlotação dos estabelecimentos penais, tanto para presos provisórios quanto para condenados em regime fechado. Diante disso, os mesmos que assim sustentam tendem a responsabilizar o Poder Judiciário pela situação, afirmando que os […]

Cortes superiores devem fixar critérios para aplicação do princípio da bagatela

O recente informativo 622, de 20 de abril de 2018, do Superior Tribunal de Justiça escancarou uma situação no mínimo curiosa, que já era frequente nas cortes superiores. Extrai-se do citado informativo dois critérios distintos para o reconhecimento da insignificância […]

Veja mais